quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Já faz mais de um mês que desmamamos




Desmamamos, no plural, porque foi um processo entre nós 2, não só dele, eu também me alimentava daquele momento.

Amamentar pra mim sempre foi uma coisa muito natural, nunca pensei em mamadeiras, nunca sequer cogitei, pra mim era isso ou era isso, e assim foi. Sequer questionei não dar o peito, afinal é pra isso que ele serve, e é disso que os bebês precisam... e se eu estava presente, porque não ser assim? Acreditava tanto nisso sendo uma coisa muito natural que em toda a minha gravidez não li nem busquei saber nada a respeito de amamentação, pra mim era só colocar o bebê lá e pronto, ele faria o resto. rs. Coitada de mim rs... podia ter dedicado um tempinho pra me preparar pra isso, me faria bem!

Acontece que o menino nasceu todo lindo, parto natural... todo choroso escandaloso sedento de mamãe... e eu colocava ele na teta e... ele dormia! Eu tinha que ir cutucando, tirando roupas do menino... daí ele dava uma mexidinha e mamava mais um tiquinho... lá na casa de parto chegaram a pingar uma gota de água gelada no canto da boca pra ele acordar! E ele acordava mesmo rs... bom, só que nisso o leite não deu muito as caras, eu estava achando que não tinha acontecido a magia ainda e me deram Plasil(um remédio que ajuda na descida do leite, pelo menos foi o que me disseram - hoje penso que foi desnecessário, dessas coisas que nos pegam pela falta de segurança -  por isso é tão importante se informar o máximo possível pra sentir segurança nas próprias decisões)... bom, daí eu fui pra casa ainda com os peitos tamanho normal e de repente o negócio explodiu, fui do tamanho 36 pro 42 em coisa de um dia, sei lá! Tive mastite umas 3 vezes (inflamação), sentia dores terríveis, tanto que eu sempre falo que senti muito mais dor pra amamentar que pra parir! Nisso também o Linus nunca fez a pega bem certinha, me machucou bastante, não a ponto de sangrar como já li umas histórias por aí, mas chegou a sair uns tequinhos de pele e depois calejou... ah, mas demorou uns 4 meses pra parar de doer, mas eu não deixei de dar, e não era nem uma questão de honra, eu simplesmente nem cogitava dar outra coisa (mas me orgulho de ter sido assim, te ver que tanta gente sabota a amamentação alheia  eu não deixei isso acontecer).

Amamentar nesse primeiro momento com um recém nascido é importantíssimo, tanto pelos benefícios para a saúde do bebê, coisa que todo mundo sabe (ou pelo menos deveria saber) mas também foi pra mim, como  mãe e imagino que pras outras mães também.

Naquele início de relação entre eu e ele, a hora da amamentação era a nossa conversa, nosso entendimento, nosso momento de se sentir seguro um com o outro. Ele não fala, não dá pra achar que se conhece um bebê conversando com ele do jeito que conversamos com adulto e a amamentação é o primeiro fio da conversa mais intima que você pode ter com alguém... é nessa hora que você querendo ou não muda todo seu ritmo de vida pra entender as necessidades do filho, seja ele como for, você vai sentar lá e esperar ele se saciar, seja pela fome, seja pelo toque... no caso do Linus, quando engatou a mamar, eram 40 minutos de 2h em 2h mais ou menos. Amamentar é esperar o tempo dele, é o primeiro exercício que eles nos propõe, o primeiro desafio, que se desdobrarão em muitos, todos com a mesma questão: é preciso ter paciência e esperar o tempo dele. E não tem jeito, quem diz o ritmo é ele.

E dá trabalho, dá muito trabalho, tem leite vazando, tem roupa fedida, tem gente pentelhando dando opinião demais, tem dor, tem hora que ele não aceita o peito. É realmente um exercício de muita paciência e força de vontade. Comigo foi assim, eu tive que insistir pra nossa conversa ficar boa de verdade, demorou uns 3 ou 4 meses rs. Mas daí pra frente já éramos super íntimos haha, ele confiava em mim, eu só tinha olhos pra ele, éramos alimentados de muito amor, amor que começou com a amamentação e que se estendeu pra tudo, inclusive pra ter muita tolerância e compreensão com o jeito chorão escandaloso dele... e de verdade, quando eu amamentava em livre demanda, tinha muito mais paciência e aguentava ouvir muito mais choro que hoje em dia! E vou confessar, hoje me irrito profundamente quando ele começa com choro manhoso... tenho certeza que não enlouqueci nem joguei ele pela janela antes por estar tomada de ocitocina da amamentação! Salve amamentação.

Seguimos 6 meses de amamentação exclusiva e chegou a hora de comer... fiquei meio perdida em como encaixar as refeições no meio das mamadas e tal, mas deu tudo certo com a dinâmica toda... só não deu mais certo porque ele tinha nojo de comer! Pois é, ele cuspia tudo, a gente festejava se ele comesse 5 colheradas! E nisso o que acontece? Mais preocupação, eu achava que ele ti-nha que comer papinha igual eu tinha lido nos blogs da vida... mas eu não dei o tempo dele nem segui minha intuição... era meio sofrível fazer todas as papinhas naturebas, sabores variados e o menino só cuspir... até que eu desisti (desisti naquelas, eu dava sempre mas nem botava fé que ele fosse comer, e ele de fato não comia) e apesar de tudo, ele ainda tinha o meu leite... lá pelos 9 meses eu desencanei de vez das papinhas e comecei a dar a comida do meu prato(o problema, que fui descobrir depois, é que ele odeia comida mole, com molho, amassada, purês etc)! E deu certo, foi aí que a alimentação sólida começou a ganhar a vez... e eu fui diminuindo as mamadas.

E apesar de acreditar no tempo dele eu também senti que a amamentação era uma conversa de dois e não de um só e nisso fui também colocando minhas regras nessa história toda. Com a alimentação sólida mais estabelecida, menino deixando de ser tão bebezico eu fui aos poucos mudando a livre demanda.

A primeira mudança foi não oferecer mais o peito em lugares públicos, principalmente porque sempre fui meio atrapalhada com a logística toda de colocar os peitos pra fora pra amamentar e isso atraia muito mais olhares do que eu gostaria. E nisso algumas mamadas se perderam, no começo ele chorava bastante, mas me mantive firme e logo ele não ligava mais de não mamar no metro ou no ônibus, aprendeu a lidar com isso. E ficamos assim por um bom tempo. Ele ainda mamava em casa, na casa das pessoas que visitávamos, mamava a noite toda... mamava sempre que pedia.

Depois o segundo passo foi tentar limitar os lugares onde ele mamava e dependendo da situação eu pegava no colo e distraia com outra coisa, ia dar uma volta, tentava brincar, oferecia outra coisa pra comer e deu certo, a partir daí então ele só mamava no sofá e na hora de dormir. Outras mamadas foram cortadas.

A parte mais difícil de desmamar foi a noite, quando ele tinha cerca de 1 ano e 10 meses, nessa época ele ainda acordava de 2h em 2h pra mamar e não estava voltando a dormir com facilidade... estava muito ruim e seguramos a onda até as férias do Henrique pra desmamar a noite juntos (tem um post falando só disso). No fim das contas deu tudo certo e o Linus começou a dormir a noite toda, as vezes ainda acorda algumas vezes, mas não mama mais.

Depois disso colocamos o Linus na escola por meio período e era a tarde toda sem peito, nisso restaram só duas mamadas. Aos poucos tirei a mamada da manhã, distraindo algumas vezes e em outras negando mesmo, dizendo que só mais tarde e ele entendeu que essa não tinha mais,

Ficou por último uma mamada que era na volta da escola, ele voltava, já sentava no sofá e pedia.... passava um tempão mamando, aproveitando a única do dia.

Daí que nessas férias de meio de ano meu irmão me chamou pra viajar com ele e com a filha dele de 4 anos e passamos 4 dias longe do nosso sofá e o Linus sequer pediu, estava tão entretido com a prima que nem ligou e assim que chegamos em casa, ele pediu pra mamar de novo e eu deixei. Mamou por 2 dias e logo viajamos de novo, dessa vez com o pai junto. Foi uma viagem de 9 dias e ele pediu pouquíssimas vezes e conseguimos distrai-lo com outras coisas... foi então que o desmame se concretizou.

Ele sentiu falta sim, pediu várias vezes aqui em casa, mas depois de quase 10 dias sem, eu resolvi colocar o ponto final dessa parte do nosso relacionamento. Argumentava que não tinha leite, o que argumento até hoje se ele pedir, dei mais colo nesse primeiro momento... mas vou confessar que ele não mama desde 1 de junho mas ainda hoje se eu ordenhar ainda sai uma gotinha (e lá no fundo eu tenho vontade de deixar ele mamar de novo).

Fico feliz por ter sido assim, amamentei meu pequeno por 2 anos e 9 meses, sem traumas, sem muita pressão (só um pouquinho), com calma, sem sofrimentos nem pra ele, nem pra mim. Não me abalei com as controvérsias que a amamentação gera, fiz o que acreditei ser certo e boto muita fé que isso fez muito bem pra nós 2.

7 comentários:

  1. muito legal, muito bem escrito, !!

    ResponderExcluir
  2. Estamos também nos finalmentes. :-) Acho que terei de fazer como você. Ser mais firme. Mas acho que cortar a última mamada diária, a única que sobrou, vai ser difícil.

    bju

    ResponderExcluir
  3. você é uma linda!!! também acredito nessa conversa única que existe na hora de amamentar.... Como Sabe a Manu desmamou com 1 ano e 2 meses por conta da gravidez da Estella, porém, agora com a Estella 1a4m, está tudo diferente, nem consigo imaginar cortar o que ela mais gosta sem argumentos sólidos hehehe, porém, esse semestre estou estudando a noite, isso está me matando, sinto muita, muita saudade das meninas, a ponto de doer, de querer ficar o resto da noite só olhando pra elas, pois bem em dois dias que cheguei tarde, Estella quase que não deu a mínima pra mim e pros meus peitos.... dormiu a noite toda (o que nunca acontecia)como estou sentindo falta, acho que sou eu quem não estou preparada para esse desmame... mais vou seguindo, e enquanto ela quiser ela terá, pois no fundo a recompensa desse momento único, também é nossa, a satisfação, também é nossa...

    ResponderExcluir
  4. Fico mais tranqüila em saber que a dificuldade com as papinhas nao eh só comigo. Nao vejo a hora de passar pra alimentação normal, comida de adulto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas ó, o Linus agora come, mas não é aquela maravilha não! rs
      O negócio é oferecer comida saudável sempre e torcer pra que eles sintam fome em algum momento... rs

      Tem dias que o Linus só quer comer granola, tem dias que é só arroz, tem dias que é só macarrão seco... não é fácil não!

      Excluir
  5. Macarrao seco? kkk mas a gente sobrevive, nao e? Parabéns pela sua maturidade, seus textos sao ótimos e tem me ajudado muito neste inicio, também longe de familia, sem parquinho e sem pracinha, como voce disse.

    ResponderExcluir