quinta-feira, 28 de maio de 2015

Sobre deixar de ser casal e reaprender a ser somente eu

O que é deixar de ser um casal com filho, pra então sermos dois solteiros com filho em comum?

Então 2014 foi o ano das separações dentro do nosso círculo social, meu e dele... Muitos de nossos amigos casais se tornaram solteiros, e não só amigos, como amigos de amigos, conhecidos... Por aí vai. Pode ser algo que gire em torno dos 30 anos, pode ser acaso, pode ser que não. Mas nós fomos parte desse movimento. Após seis anos juntos, quatro deles como mãe e pai, decidimos então nos separarmos.

A princípio foi algo calmo e decidido com muita razão, cabeça fria apesar dos pesares. No fim das contas a coisa desgastou, não éramos felizes juntos como desejávamos ser e sentíamos que era só mais um passo adiante que precisávamos dar pra continuar essa longa caminhada da vida.

( pausa aqui: não quero entrar no mérito de tomar lado algum nem vou entrar em méritos de dizer o que foi, o que não foi e tudo o mais)

Onde eu queria chegar é:

O que é estar solteira depois de tantos anos casada e ainda por cima, ser mãe de uma criança pequena?

É algo comum, mas não leio muito sobre isso, não escuto muito sobre isso... Parece um universo meio obscuro.

E de fato é, é tão complexo que nem eu mesma sei dizer.

Deixar de ser um casal de longa data é uma brusca mudança que requer muita força de vontade, porque de alguma maneira isso vai mexer em nossa estrutura... Estrutura aquela que era apoiada em mais alguém e agora estamos aqui, por nós mesmas. É estranho no começo se segurar pra não manter o ritmo de sempre, de falar como foi o dia, de falar de novas descobertas, de falar que viu algo mais barato no supermercado... Ou qualquer coisa que costumava ser cotidiano dos dois. Mas também é estranho ter tantas novidades que só acontecem porque você não é mais um casal... Coisas que mundo nos permite ou nós mesmas nos permitimos... E a base de tudo: se redescobrir indivíduo!

E pode doer o que for, e com certeza dói. Mas depois da alma lavada em lágrimas e dores, resta aqui um olhar de volta a mim mesma, me obrigando a olhar quem fui, quem sou e quem quero ser. É um exercício diário, minuto a minuto... Eu não me preocupo com ele, com o julgamento, com o acolhimento a ele, nem com as tarefas do dia a dia que eu sustentava em conjunto... Agora sou eu e eu. É a partir de agora que eu me organizo com meus sonhos, meus projetos nessa vida... E reaprender a me dar prioridade... E como ser prioridade de mim estava distante, e eu nem percebia! Foram anos e anos de diluindo em dois, em três... E sair disso assim: só o bagacinho!  E parece tão difícil tirar a essência desse sabor que sou eu e transformar num sabor único! Mas quando a magia acontece... Nossa! Que felicidade! Que leveza! Que satisfação! 

É aqui que estou. 

Mas então sou também um potencial explosivo de mil vontades acumuladas! Mas eu tenho uma criança comigo... Eu não sou mais quem eu era, quem eu achava que ia encontrar nesse retorno a mim mesma... Ser mãe é nunca mais ser a mesma que um dia fui. Preciso ter cautela, driblar minhas vontades, retomar o que tenho de melhor e fazer em conjunto com o que ganhei de experiência nesses anos... E preciso ponderar, pensar quais caminhos valem mais a pena, mesmo não sendo mais casal, sou ainda dois: eu e meu filho. E a ele devo uma responsabilidade além do que me era comum. Eu não posso fazer o que quero na hora que quero, as loucuras são ponderadas, e mesmo a vontade de prosperar deve ser homeopática... Eu preciso ter tempo pra ele, com ele... Tempo de qualidade: conversar, acarinhar, dar banho, comida... Cuidar do nosso lar.

Ser solteira e mãe me permite vivenciar universos quase paralelos, tudo junto ao mesmo tempo: meu lado mãe e meu lado jovem mulher adentrando o que dizem ser os melhores anos femininos: os 30.

É confuso as vezes. Mas é lindo. Eu nunca me sinto sozinha, apesar de solteira. 
E com o modelo de separação surgem momentos rotineiros em que posso estar só comigo, ter meus respiros, meus momentos de concentração no que eu quiser. E isso, como mãe casada é quase uma luta diária... Honestamente, é uma das melhores coisas em deixar de ser casal!

Já tenho alguém a quem cuidar, o que não me deixa espaço pra relacionamentos confusos: meu filho está aqui e é a ele que concentro meus cuidados. Deixo aos outros, que me divirtam, no mínimo... Sem chororôs, por favor! A vida está clara e o riso solto... E assim pretendo ficar!

E nesse meio tempo, aprendo que eu mesma sou prioridade de mim, me reenergizo, movimento pessoas, projetos, sonhos e desejos... Não orbito em torno de uma ideia a dois, eu sigo em frente pra conhecer o mundo que deixei pra trás, no meu ritmo, do meu jeito.

Um comentário: